Algoritmos e dados pessoais do Facebook

O Pew Research Center analisou a forma como os utilizadores lidam com as configurações relativas à publicidade no Facebook. Cerca de metade diz que não se sente confortável quando vê como a plataforma os categoriza, e 27% afirmam que as classificações do site não os representam com precisão.

By Paul Hitlin & Lee Raine

A maioria dos sites comerciais, plataformas de mídia social, agências de notícias... coletam uma ampla variedade de dados sobre o comportamento de seus usuários. As plataformas usam esses dados para fornecer conteúdo e recomendações com base nos interesses e características dos usuários e permitir que os anunciantes segmentem anúncios para públicos relativamente precisos. 

Mas até que ponto os norte-americanos entendem esses sistemas de classificação orientados por algoritmos e quanto eles acham que suas vidas estão alinhadas com o que é relatado sobre eles? Uma nova pesquisa do Pew Research Center a partir de uma amostra representativa de usuários da plataforma de mídia social mais popular do país, o Facebook, contribuiu para a reflexão sobre os dados que foram coletados sobre os usuários. (Veja mais sobre por que estudamos o Facebook na caixa abaixo.)

O Facebook torna relativamente fácil para os usuários descobrirem como o algoritmo do site categorizou seus interesses por meio da página "Suas preferências de anúncio". No entanto, no geral, 74% dos usuários do Facebook dizem que não sabem que esta lista de seus traços e interesses existia, até serem direcionados para essa página como parte deste estudo.

Quando direcionado para a página "preferências de anúncio", a grande maioria dos usuários do Facebook (88%) descobriu que o site havia gerado algum material para eles. A maioria (59%) diz que essas categorias refletem seus interesses na vida real, enquanto 27% dizem que não são muito ou não são exatas. E uma vez mostrado como a plataforma classifica seus interesses, aproximadamente metade dos usuários do Facebook (51%) diz que não se sente à vontade com o fato de a empresa ter criado essa lista.

A pesquisa também fez perguntas direcionadas a listas específicas que fazem parte do sistema de classificação do Facebook: inclinações políticas dos usuários e suas "afinidades" raciais e étnicas.

Nos dois casos, usuários do Facebook dizem que a categorização do site é mais precisa do que incorreta. Ao mesmo tempo, as descobertas mostram que parte dos usuários acham que as listagens do Facebook não estão relacionadas.

No que diz respeito à política, cerca de metade dos usuários do Facebook (51%) recebe uma "afinidade" política pelo site. Entre os que recebem uma categoria política pelo site, 73% dizem que a categorização da política da plataforma é muito ou pouco precisa, enquanto 27% dizem que a descreve de maneira pouco ou nada precisa. Em outras palavras, 37% dos usuários do Facebook têm uma afinidade política atribuída e dizem que a afinidade os descreve bem, enquanto 14% são atribuídos a uma categoria e dizem que ela não os representa com precisão. Para saber mais sobre a pesquisa (em inglês) acesse: https://pewrsr.ch/2maKDd3

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Revista Escribanía com chamada aberta para artigos sobre comunicação

“Educar ya no significa transmitir y memorizar información”