Fake news, no passado, eram chamadas simplesmente de mentira

A proliferação de informações que circulam nas redes sociais digitais gera um ambiente ideal para a desinformação intencional

Por Edgar Rebouças*
Artigo publicado no jornal A Gazeta (05/06/2020) 

O estudo sobre o uso de notícias falsas é antigo no campo da comunicação. Muitos acham que o termo surgiu com Donald Trump para reclamar da cobertura da imprensa, que o estaria perseguindo, na campanha de 2016. No entanto, há quase 2000 anos, o pensador Sêneca já se referia a tal fenômeno, em sua compreensão sobre a razão de algumas pessoas usarem tanto de mentiras para se tornarem populares.
Para ele, em meio ao público, "alguns são muito crédulos, outros são descuidados. Alguns são iludidos, outros encantados com a falsidade. Alguns não a evitam, outros a procuram".Enfim, nada mais atual.
A proliferação de informações que circulam nas redes sociais digitais gera um ambiente ideal para a desinformação intencional. Aqueles que são anti-imprensa, anti-verdade, antiautêntica e anti-educação se valem da credulidade de alguns para disseminar o que na minha época de repórter era simplesmente chamada mentira.
Se a mentira fosse devido a um erro de apuração, no dia seguinte pedia-se desculpa e o jornalista tomava uma advertência. Mas se fosse intencional, seu responsável era demitido e tinha que mudar de profissão, pois a matéria-prima de quem trabalha com a informação é a verdade factual. E ainda era possível de tomar um processo.
Como no novo"espaço público" virtual a credibilidade não é pedra fundamental, cria-se a impressão de um ambiente de "vale-tudo". só que não.
A liberdade de expressão e a democratização das mídias são para todos; suas conquistas custaram a vida de muitas pessoas ao longo da história. Dessa forma, jamais podem ser usadas com irresponsabilidade. pelo contrário, a sociedade precisa cada vez mais de reflexão e aprofundamento. Pois só assim vai ter uma mínima chance de distinguir entre a mentira, a desinformação e o fato. Por isso, mesmo ao compartilhar informações, desconfie, cheque, seja ético. Utilize alguns preciosos segundos consultando outras fontes antes de tirar qualquer conclusão apressada. Ou então continue acreditando e disseminando mentiras.
* Professor de Comunicação da Ufes e membro do Conselho Estadual de Ética Pública
Texto original publicado em: https://www.agazeta.com.br/artigos/fake-news-no-passado-eram-chamadas-simplesmente-de-mentira-0620

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Journalism, Fake News and Desinformation

FDR oferece curso gratuito e a distância em Formação de Mediadores de Educação para Patrimônio