O jogo da neutralidade vs. objetividade com jornalistas negros chega ao fim

Por Tonya Mosley - Nieman Lab
Em 2020, as organizações de notícias deixarão de jogar o jogo da neutralidade x objetividade com jornalistas negros.
Ok, essa é uma declaração ambiciosa –mas temos que começar em algum lugar, certo? Confie em mim –todas os negros em sua redação têm uma história sobre como 1 gerente questionou seu julgamento de notícias, sua dicção ou perguntou se poderiam ser neutros ou objetivos.

Lembro-me do dia em que um antigo chefe questionou em voz alta se eu seria capaz de cobrir objetivamente uma história sobre o assassinato de um homem negro pela polícia. Isso foi em 2007, antes do assassinato de Tamir Rice e Philando Castile. Antes das mais recentes discussões e debates em todo o país sobre os assassinatos desproporcionais de negros e pardos nas mãos da polícia.

Essa chefe de notícias em particular se perguntou sobre minha capacidade de objetividade porque sou negra, e ela tinha uma ideia comum e equivocada de que eu não podia ser neutra ou objetiva porque minha pele tornaria impossível ver “todos os lados”. Esse é 1 refrão comum, muitos jornalistas negros já ouviram antes –e é uma ideia profundamente falha sobre nossos esforços para cobrir de maneira abrangente as comunidades que servimos.

Os repórteres não podem ser objetivos se forem neutros. Sim, você leu certo: objetividade não é neutralidade. A neutralidade tenta e falha em corrigir os verdadeiros vieses e preconceitos do jornalista, o que é impossível de fazer.

Essa maneira falha de pensar também pressupõe que os jornalistas brancos tenham 1 ponto de vista neutro. As notícias como a conhecemos foram construídas com base nessa idéia –que normas culturais, ideias e pontos de vista, historicamente provenientes de jornalistas brancos, são neutros. Mas podemos ver pela história que a cobertura noticiosa pode ser explicitamente tendenciosa, centralizando a experiência branca e, em muitos casos, flagrantemente racista.

Algumas organizações de notícias, como a National Geographic, começaram a examinar como a ideologia racista moldou seu jornalismo. É uma tentativa de afastar lentamente essa ideia maior. Mas a verdade é que será preciso 1 trabalho real para quebrar os sistemas que levaram à cobertura noticiosa que vemos hoje.

Então, como entramos em 2020, é importante que façamos o seguinte:

  • À medida que as redações tentam diversificar, temos de entender e aceitar o que um ambiente diversificado realmente significa para cobertura. Isso significa que suas notícias terão uma aparência e um som diferentes. Isso parecerá estranho no começo. Colocar outras vozes e perspectivas no centro exige um trabalho real; é difícil e bagunçado. Mas é necessário. Especialmente se sua organização leva a sério a diversificação.
  • Você deve ouvir as pessoas de cor em sua redação. Lembre-se de que você os contratou porque são jornalistas inteligentes e capazes. Deixe-os fazer o trabalho deles.
  • Livre-se da ideia de “lados opostos” –e, mais importante, de uma equivalência falsa. Reconhecer os direitos e a humanidade das pessoas não é 1 “lado”. O custo de ser neutro é 1 público mal informado que desconfia do que fazemos.
Aqui está a esperança!

Tonya Mosley é co-apresentadora do programa de notícias do meio-dia da NPR, Here & Now.
Fonte: PODER360 - 13/01/2020

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Educar ya no significa transmitir y memorizar información”