Jornalismo, fake news & desinformação: manual para educação e treinamento em jornalismo

Unesco lança livro sobre jornalismo, fake news e desinformação. A publicação pode ser acessada gratuitamente pelo link: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000368647?fbclid=IwAR14EqTCXdGhuw31WveaXmNtxKlQYRMRc_m2eouGc7hU0RW5ieHWLRz2GNs

PREFÁCIO:
A UNESCO trabalha para fortalecer o ensino de jornalismo e esta publicação é a mais
recente contribuição para seu conjunto de conhecimento de ponta.

É parte da “Iniciativa Global pela Excelência na Educação em Jornalismo”, que é foco do
Programa Internacional para o Desenvolvimento da Comunicação (PIDC) da UNESCO.

A iniciativa procura envolver-se com o ensino, a prática e a pesquisa do jornalismo de acordo com o panorama global, incluindo o compartilhamento de boas práticas internacionais.

Consequentemente, o presente manual procura servir como exemplo de currículo
internacionalmente relevante, aberto à adesão ou adaptação, como resposta ao
problema decorrente da desinformação global que confronta as sociedades em geral,
e o jornalismo em particular.

Evita-se admitir que o termo fake news (“notícias falsas”) possua um significado direto
ou comumente compreendido.

Isso ocorre porque “notícias” significam informações verificáveis de interesse público, e as informações que não atendem a esses padrões não merecem o rótulo de notícias. Nesse sentido, então, a expressão “notícias falsas” é um oxímoro que se presta a danificar a credibilidade da informação que de fato atende ao limiar de verificabilidade e interesse público – isto é, notícias reais.

Para entender melhor os casos que envolvem manipulação exploratória do idioma e
convenções de gêneros de notícia, esta publicação trata esses atos de fraude pelo que são
– como uma categoria particular de informação falsa em formas cada vez mais diversas de
desinformação, inclusive em formatos de entretenimento como memes visuais.

Nesta publicação, o termo desinformação é comumente usado para se referir a tentativas
deliberadas (frequentemente orquestradas) para confundir ou manipular pessoas por
meio de transmissão de informações desonestas. Isso geralmente é combinado com
estratégias de comunicação paralelas e cruzadas e um conjunto de outras táticas, como
hackear ou comprometer pessoas. O termo “informação incorreta” frequentemente
refere-se a informações enganosas criadas ou disseminadas sem intenção manipuladora
ou maliciosa. Ambos são problemas para a sociedade, porém a desinformação é
particularmente perigosa pois é frequentemente elaborada, com bons recursos,
e acentuada pela tecnologia automatizada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FDR oferece curso gratuito e a distância em Formação de Mediadores de Educação para Patrimônio

Corrupción en la escuela